NarcosA série Narco que fala sobre tráfico de drogas no contexto da biografia de Pablo Escobar me chocou bastante. Uma cena que me deixou perplexo foi a atitude cínica de tratar com bastante carinho e vestir muito bem um garoto, fazer promessas de que ele ganharia muito bem e no final usá-lo como objeto.

Sim objeto, porque este foi colocado dentro de um avião. Neste avião foi-lhe recomendado apenas que deveria fazer uma gravação. Essa gravação na verdade era a desculpa para que ele apertasse o botão que ligava uma bomba. Esta bomba servia para matar um candidato a presidência da Colômbia.Pablo Escobar sempre matava aqueles que eram contra os seus negócios na Colômbia.

Sabe-se que na reprodução industrial das abelhas o Zangão é sacrificado cortando a sua cabeça que é o que estimula a saída dos espermatozoides. Este garoto é um Zangão do tráfico. Ele perde a vida, corta-se a sua cabeça para através do terror manter a continuidade do negócio de tráfico de cocaína da Colômbia para os EUA.

Existe por trás deste personagem, uma vez que sobre ele é escrita uma história que é contada através do cinema em cima de determinada interpretação, uma magia, um encanto porque ele possui poder. De que adianta tanto poder se a sua liberdade de ir e vir vai ficando cada vez mais minada? O diretor da série o nosso brasileiro José Padilha e o nosso ator Wagner Mora queriam  humanizar Pablo Escobar.

O fato é que Pablo Escobar tinha uma família, então psicopata ele não era. Pode-se dizer que ele era imoral porque não respeitava a vida, não respeitava o casamento, não respeitava as leis e, portanto, estava acima de tudo. Uma pessoa que está acima de tudo, não é um modelo de sustentação para qualquer sociedade. É uma grande ilusão todo o poder que ele tem porque ele vai cada vez mais perdendo a sua liberdade. Me lembra é claro, em outro nível,  muitas pessoas que em nome de grande sucesso profissional perdem tudo diante da ilusão, perdem a essência.

Anúncios