MAD_MAX_BPO_RGB_2764x4096.jpg.300x441_q85_crop

No filme uma sociedade pós-apocalíptica teria sido forçada a voltar para uma organização primitiva com a necessidade de retomar a um sistema parental baseado em uma poligamia. Nas entrelinhas do enredo de Mad max: a estrada da fúria  está uma antropologia evolucionista. A questão aqui é a poligamia do Chefe, Immortan Joe. Qual é a explicação para a necessidade de se ter várias mulheres no contexto descrito pelo filme? Mad max passa-se  em um período pós-apocaliptico em uma situação de escassez material.  A mensagem que o filme passa é que quanto mais mulheres um indivíduo possuir, maior é a sua capacidade de produção agrícola e tecnológica, modos de produção altamente prioritários em tempos de busca pela sobrevivência da humanidade na terra.

O que é diferente de uma mulher engravidar de vários homens, porque estas reproduzem na maioria das vezes um filho de cada vez, é um homem engravidar várias mulheres. No segundo caso, o número de filhos é muito maior e mais útil para uma situação de escassez material. No caso do filme um único indivíduo tem este comportamento, logo este tem um acúmulo de poder e de capital que lhe dá a autoridade de chefe tribal. Ao menos esta parece ser a lógica apresentada no filme, pois lá temos um patriarca que neste caso é também um ditador.

Na tribo de Immortal Joe, estabelecida no deserto, temos um sistema político claramente ditatorial em que o Immortan Joe é detentor do poder, apesar de que ele divide este poder com um irmão que pela sua contagem em perdas na guerra e seu questionamento é responsável pelas finanças daquela tribo desértica. Quem toma de verdade as decisões é o Immortan Joe que nem dá ouvidos aos questionamentos do irmão sobre as perdas financeiras na perseguição de guerra pelo deserto.

Cabe uma reflexão, qual estrada resolvemos correr na vida? A estrada da fúria ou a estrada do equilíbrio? Será que colocados em uma situação de escassez o caminho é da exploração como forma de monopolizar o poder? É um caminho um tanto quanto machista, patriarcal e destruidor da natureza.

Obviamente que o irmão não tem noção do valor que as esposas do Immortan Joe têm, pois são as reprodutoras não somente da mão de obra, os garotos de meia vida, como também do combustível de maior valor o Mothers milk (leite das mães) o que ressalta mais ainda a cultura poligâmica presente no filme. O  Mothers Milk  ao que tudo indica ia para alguma outra tribo ser trocado por gasolina e era levado por uma Imperatriz Furiosa, uma espécie de protetora do líquido sagrado, símbolo maior da fertilidade. (ESPOILER NO PRÓXIMO PARÁGRAFO)

O filme prossegue para o encerramento com a corrida para o deserto em que Furiosa junto com as Mothers, fica entre continuar em busca de um lugar nunca visto, atrás da esperança de um paraíso perdido para além do mar de sal ou se volta para a tribo do Immortal Joe, onde tem água extraída do solo e condições de produção agrícola. Ela então decide voltar e enfrentar um caminho real a ir em busca de uma esperança idealista. Outra reflexão cabe aqui. Estamos seguindo caminhos reais ou estamos nos afundado em um idealismo?

Que tipo de sociedade nos queremos? Uma sociedade dividida entre a parte “bios” que tem poder é comanda por homens em detrimento da exploração da parte “zoe” as mulheres e os escravos representados pelos miseráveis do filme ? Ou queremos uma sociedade igualitária? Queremos correr na estrada da fúria ou  na estrada do equilíbrio e da integralidade entre feminino e o masculino ( a estrada “biozoe”) ?

Ozimar Bovió.

Anúncios